terça-feira, 29 de dezembro de 2009

…talvez 2010 seja um bom ano para o fazer.


“- Gatinho Cheshire – começou Alice timidamente (…) – Diga-me, por favor, a partir daqui, que caminho é que devo seguir?
- Isso depende do sítio para onde queres ir – respondeu o Gato.
- Pouco me importa para onde – disse Alice.
- Então não tem importância para que lado vais – disse o Gato.
- Contanto que vá dar a qualquer parte – acrescentou Alice, explicando-se melhor.
- Ah, isso é que vais, de certeza – disse o Gato -, se andares o suficiente…

Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Post-it


Aqui e acolá, ao vivo e por escrito, tenho-me questionado: porquê tristeza, apatia, letargia…? Excluindo a resposta mais fácil, uma qualquer variante, que seria outra pergunta: porque não?

Pensando bem, fui perdendo muitas palavras pelo caminho para chegar à pergunta inicial e tocar o problema:

- vida preenchida com factos e circunstâncias que não explicam este mundo de papel, onde humanos têm cérebro no lugar do coração e no lugar do cérebro o vazio.

A melancolia de Albrecht Dürer, sugere a resposta a estas e outras perguntas:
- Talvez a pergunta inicial tenha ficado respondida. Ou devia ter permanecido em silêncio?

Pensei que sabia - “Acerca daquilo de que não se pode falar, tem que se ficar em silêncio”.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Baú dos negativos # 1




Há muito, muito pouco tempo, numa parede em casa particular.

nota: texto em construção...!