sábado, 27 de junho de 2009

Amor de borboletas!


Foi este o primeiro pensamento que me ocorreu ao fazer este registo fotográfico.
Ao comentar em voz alta, este meu título, aos meus companheiros de fotografia (sim hoje…pasmem-se…encontrei e tive como companhia meia dúzia de ingleses, que tal como eu andavam nos registos fotográficos de borboletas. No mínimo achei curioso virem de tão longe e mais admirado fiquei, senão mesmo boquiaberto, com a planificação cuidada e rigorosa dos lugares escolhidos/destinados aos registos fotográficos) entre risos e sorrisos, a conversa lá se foi generalizando e eis quando um deles pergunta se conhecia a obra Amor de Borboletas de Liang Zhu.
Admitindo a minha ignorância e embora no local tivesse logo ficado a conhecer o seu teor, produzida em 1959 relata uma lenda chinesa sobre o trágico romance entre dois amantes, considerada como o equivalente chinês de Romeu e Julieta, com a curiosidade ainda mais aguçada, já em casa, prontamente o Google levou-me até ela:
http://www.youtube.com/watch?v=Z6Qx9saG45I

…o que se fica a aprender numa saída matinal cuja única intenção era fotografar borboletas.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Há momentos assim! ou Quanto gosto de me levantar pela madrugada e…fazer registos destes!!!


Eu bem devia ter seguido o conselho da minha amiga Ana (http://pequeteartjournal.blogspot.com/) e ter comprado o livro “Field Guide to the Dragonflies of Britain and Europe”…
E se assim o digo apenas o devo à imagem que ilustra esse post.


Embora não seja uma imagem de rara beleza, é um registo difícil de conseguir.
Depois da introdução…nada melhor que uma breve explicação.


Tinha colocado esta imagem num outro site, de fotografia de natureza, e invariavelmente era confrontado com a mesma pergunta: predador?
Bem lá que era predador era…contudo, alguém mais conhecedor do que eu poupou-me toda a “vergonha da ignorância”…colocando a seguinte informação:
“Subindo pela haste de alguma planta, a larva pára de se alimentar e mantém-se várias horas imóvel preparando-se para a mudança. A libélula rompe o seu último exoesqueleto pelo dorso, libertando primeiro a cabeça e o tórax e depois o abdómen (o processo leva de 30 a 40 minutos).
As suas asas, húmidas, precisarão de duas a três horas para se solidificarem em contacto com o ar, quando a libélula estará, então, aparelhada e pronta para descolar.”

Ps. quanto gosto de me levantar pela madrugada e…fazer registos destes!!!

sábado, 13 de junho de 2009

os momentos que renovam a alma


Fazer o que sentimos, sentir o que fazemos, não fazer o que não sentimos...!
ps. … quando se permitem todas as ilusões dos sentidos.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Porque ainda há segredos bem guardados….


Viagem há já muito programada….desta vez é que foi!
Discretos e silenciosos q.b. lá nos aventurámos, eu e o L, meu eterno companheiro de viagens, na descoberta do ninho de cegonhas pretas - delicio-me a visionar a série de fotografias.


Mas não é só de ninhos este meu sentir.

Vem-me à memória todo o enquadramento:


“Um universo virginal, como se tivesse acabado de nascer, e já eterno pela harmonia, pela serenidade, pelo silêncio que nem o rio se atreve a quebrar, ora a sumir-se furtivo por detrás dos montes, ora pasmado lá no fundo a reflectir o seu próprio assombro. A beleza absoluta. “.
Miguel Torga in Diário XII

sábado, 6 de junho de 2009

A atenção do meu olhar...!


A atenção do meu olhar, tem caído para os guardiães de templos em gestação – espantalhos.
O desejo de os fotografar, confirma a sua variedade.
Dependendo no “modelo” que fixo na objectiva, penso numa exposição de Gérard Castello-Lopes de seu título “Arte Efémera na Paisagem”.
Aceito que se tenha, sobre esta questão, opinião diversa, mas as estratégias dos artistas, o seu reciclar de materiais, até o sentido de comunicação, leva-me a empatizar com uma certa estética de uma relação lúdica com a manipulação dos desperdícios e a elaboração de formas.
ps1. Muitas vezes me questiono como será a brincadeira de fazer o espantalho!

ps2. Resolvi acrescentar texto a este post, pois, confesso que não resisto à partilha:
“(...) o que espanta os espantalhos se os seus braços servem de poleiros aos pássaros? Talvez a generalidade dos medos e um dos mais frequentes modos de o exorcizar: o riso.”

In Brito, Joaquim Pais de, e outros. O voo do arado, Lisboa: Museu Nacional de Etnologia, 1996.

Ps. gosto sobretudo do último parágrafo.



quinta-feira, 4 de junho de 2009

Fui selado!


Pois… parece que a vida cada vez está mais difícil…já nem voyer se pode ser…!


Foi a eu mesma (
http://oquedernagana.blogspot.com/) que me “laureou”…, agora tenho de enunciar as regras p'rás próximas vítimas.

Regras:

- Colocar o selo no blog;

- Divulgar as regras;

- Dizer 5 coisas que gostem na vida;

- Escolher 5 vítimas amigos "blogueiros";

- E informá-los que foram marcados ou seja selados.


bem, até aqui pacifico…,
quanto ao que gosto de fazer....


1. Música
2. Livros
3. Passear
4. Fotografar, e
5. Café e cigarros (claro…)


E agora as vítimas...:

O JMArto (http://vaandando.blogspot.com/)
A Ana (
http://pequeteartjournal.blogspot.com/)
A Locas (http://historia-e-arte.blogspot.com/)
A Ana Cardoso (http://paredescardoso.blogspot.com/)
E a Azul (http://teusonhomeu.blogspot.com/)


Ps. Mas quem me mandou a mim andar a “cuscar” outros blogues….