segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Assim se vence a melancolia dos dias.




Saímos eu e o L. (eterno companheiro de tantas caminhadas) às cinco da manhã.
De noite, a lua tem luz suficiente para guiar o caminho. Penso em mim. A vertigem do vazio habita dentro de mim, regresso pois a estes dias de “contemplação e assombro”.
Pela frente não se vêm muitos horizontes, só a noite pesada. Mas lá em baixo, lá em cima, de todo o lado, agita-se o rumor livre e profundo da brama.

Surpreendo-me sempre com o nascer do dia. A natureza é tão perfeita, e serena que chega a tornar-se inquietante.

Falta-me, no entanto, o momento que me tem obcecado: a luz da madrugada sobre um imponente veado.

O dia nasce, a vida continua. Regressamos ao carro.
Se vale a pena? A minha pergunta interior fez-me sorrir! Claro que vale a pena.
Assim se vence a melancolia dos dias.

2 comentários:

~pi disse...

vejo como tu! :)

perfeito ~

vaandando disse...

bela aurora , como se dizia dantes !

cordialmente__________ JRMarto