quinta-feira, 24 de abril de 2008

A ilusão do momento


Sentir uma emoção é coisa simples.
E parece estranho, por certo, que o meio através do qual conhecemos um sentimento seja um outro sentimento.
Deixo agora que a mente vagueie. A selecção é inconsciente.
Sozinho em atitude de meditação.

Fico preso à imagem. Guiado por um objectivo e por uma esperança.
A figura, simultaneamente vazia e expressiva.
A cena é, pois interminável, como a linguagem.

Mas não quero apenas palavras, desejo também gestos.

quarta-feira, 9 de abril de 2008

O vazio ilustrado, uma ilustração irónica ou a cena vazia


Isolado das tertúlias, adoecido irremediavelmente para as certezas dos outros, tudo reinvento a partir do silêncio.
Uma interrogação relampeja-me no olhar!
Depois, pouco a pouco, assobio silenciosamente com um sorriso todo nos olhos.

quarta-feira, 2 de abril de 2008

Vazio de ideias?


O tempo mudou os símbolos da fé, deliu as inscrições sagradas, e relegou para a penumbra da arqueologia o que foi vivo e útil.
MIGUEL TORGA (Portugal, 1950)

Sejamos claros: há dias em que tudo o que vejo me parece pleno de significados.