terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Discurso poético e informação ou a sugestão orientada


Nós produzimos a máquina; a máquina oprime-nos com uma realidade desumana e pode tornar desagradável a relação com ela - a relação que temos com o mundo.
Sem remédio? Não, simplesmente sem possibilidade de eliminar este pólo negativo: projectado no meio de uma tensão a resolver.
Diante da visão o espírito abre-se subitamente como numa iluminação repentina.
A poesia realizou a sua operação de recuperação e ofereceu-nos a possibilidade de uma nova paisagem.

5 comentários:

Ana Paredes Mendes disse...

J� nos diz Jos� Machado Pais que " a 'objectiva' de uma m�quina fotogr�fica nunca � objectiva, corresponde sempre a um ponto de vista. A contempla�o do mundo � j� a transforma�o do objecto."

Um abra�o Alexandre!

vermella disse...

Ao través dos séculos a poesía é sempre a mesma o que cambia é o estilo,apuntarse a mirar para ver mellor...........
beijo e perdón polo retraso pero andiven enferma.

sa.ra disse...

Vi esta peça em Barcelona e as outras...

uma fusão entre o a escultura clássica e o surrealismo

foi isso que senti: vi alguns algumas versões da invasão e os remendos que o homem inflige a si próprio

achei algumas esculturas belíssimas!

beijo
dia muito feliz

un dress disse...

...adormecimento fusional...:)







beijO

Profanus disse...

a poesia nasce de uma relação com os outros, ela pode ser um rasgão no obscuro , criando luz , um devaneio , uma contemplação , um mundo que completa ou desfaz!
! Chego bem !
JrM