segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

O visível abrigando o invisível




Um painel de almas.
Uma edificação popular habitualmente pobre de formas, localizada em zonas despovoadas, em encruzilhadas ou em locais fronteiriços, erguendo-se bem visível na paisagem, e que dispõem de qualidades que extravasam completamente a sua presença material, pois remetem para o campo do religioso ou da superstição que o mero observador nem sempre compreende ou detecta.

Mas a linguagem não é tudo.
O que temos que respeitar nele?
Não, evidentemente, a habilidade manual do autor…A intenção?

Mas gostava de colocar a questão num plano mais vasto.

O que faz com que as obras perdurem?

De certa maneira, é justo a salvaguarda do património cultural, é justo criarmos condições para que as gerações que se vão seguir a nós tenham “acesso” à herança cultural.

Ps. Escusado será dizer que muito deste “património” apresenta graves sinais de “abandono”.

6 comentários:

deep disse...

Perduram porque continuamos, apesar de tudo, a ser crentes... supersticiosos?

Boa segunda-feira! :) Beijinhos

vermella disse...

aquí chámanse petos de ánimas,e pódense ver ás beiras dos camiños,o seu significado é unha mostra de respeto polas almas,polas memorias perdidas.
beijo e xa te botaba en falla.

isabel mendes ferreira disse...

fica a linguagem das pedras...que nos traduzem a idade o olhar a lucidez o amargo o bom e o terno.



___________
post atento triste? inteligente.




beijo.

isabel mendes ferreira disse...

bom dia.

Visível....



___________.



beijo.


deste lado da terra.

Um Momento disse...

Sim perduram, acompanham-me nas minhas viagens... muitas delas sim... já bastante danificadas... mas conseguem "sobreviver"...
até quando?...
"Alminhas" chamava-lhes a minha Senhora AvÓ...


Beijo...

(*)

ivone disse...

e o abandono não é só das pedras

.dos sentires também.