quarta-feira, 14 de novembro de 2007

O chão e o verbo


Vou falar-lhes dum Reino Maravilhoso.

Embora muitas pessoas digam que não, sempre houve e haverá reinos maravilhosos neste mundo.

O que é preciso, para se os ver, é que os olhos não percam a virgindade original diante da realidade, e o coração, depois, não hesite.

Ora, o que pretendo mostrar, meu e de todos os que queiram merecê-lo, não só existe, como é dos mais belos que se possam imaginar.

Começa logo porque fica no cimo de Portugal, como os ninhos ficam no cimo das árvores para que a distância os torne mais impossíveis e apetecidos. E quem namora ninhos cá de baixo, se realmente é rapaz e não tem medo das alturas, depois de trepar e atingir a crosta do sonho, contempla a própria bem-aventurança.
Vê-se primeiro um mar de pedras. Vagas e vagas sideradas, hirtas e hostis, contidas na sua força desmedida pela mão inexorável dum deus criador e dominador. Tudo parado e mudo.
Apenas se move e se faz ouvir o coração no peito, inquieto, a anunciar o começo duma grande hora. De repente rasga a crosta do silêncio uma voz de franqueza desembainhada:
- Para cã do Marão, mandam os que cá estão!
Sente-se um calafrio. A vista alarga-se de ânsia e de assombro.
Que penedo falou? Que terror respeitoso se apodera de nós?
Mas de nada vale interrogar o grande oceano megalítico, porque o nome invisível ordena:
- Entre!
A gente entra, e já está no Reino Maravilhoso.


Miguel Torga. Portugal (Coimbra, 1950)

Ps. Confesso, embora seja suspeito, provavelmente dos melhores textos escritos sobre Trás-os- Montes!

11 comentários:

espaço história & arte disse...

que belissima fotografia escolheste para ilustrar o hino da nossa terra...e que terra maravilhosa...que abençoados somos!! beij

Pequete disse...

Eu não sou suspeita, e tenho a mesma opinião!

Graça Pires disse...

Este Reino Maravilhoso só podia sair da escrita de Miguel Torga...
Um abraço.

AF disse...

não conhecia este texto; é fantástico.

Ana Ramon disse...

Um texto magnífico de Torga. Mas para o trazer até aqui é necessário o olhar sensível de um poeta, e esse pertence-te
Um beijinho

Manuela Viola disse...

Pois eu também concordo. A foto é fabulosa.
Bjo

deep disse...

Boa tarde, Alexandre!

Torga é sempre Torga! E este texto é, sem dúvida, um óptimo cartão de visita para a sua obra e para esta região maravilhosa.

Agora, a resposta ao seu pedido:

http://www.petermurphy.info/intro.html

http://www.youtube.com/watch?v=Pk3hbuqj744

Continuação de óptima semana. :)

Um Momento disse...

Sorrio...
Este Domingo estive á beira da àrvore centenária de Miguel Torga :)))
Em S. Martinho D' Anta:)))
Irei postar umas fotos que trouxe de lá
Bela escolha a tua :)))

Beijo Imenso... em ti


(*)

MIMO-TE disse...

Um texto lindo cheio de paixão.:)
A mesma que deve sentir por essa terra. Que bom para mim sentir em ambos a mesma paixão. Muito bom!


Deixo mimos

Gi disse...

E o texto sobre o Alentejo não lhe fica atrás. Quem o lê se não ama fica a amar este Portugal imenso, todo ele tão rico em paisagens, em gentes, em cores, em cheiros...

beijinhos

(tenho estado doente. A meio gás no blogue , nos comentários, nas visitas ...)

Rhiannon disse...

Sempre achei que fui uma privilegiada quando, um dia sem contar, entrei no Reino Maravilhoso. E fiquei-me, nessa súbita paixão que jamais acaba: Trás-os- Montes!