quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Introdução


Quanta arte não é precisa para penetrar na Natureza.
Quanto tempo e quantas regras não despendemos para
dançar com a mesma liberdade e graça com que andamos,
e para cantar como falamos,
e falar e expressarmo-nos como pensamos.

Montaigne

5 comentários:

Silvana disse...

Gracias pola sua visita, así ademáis aproveito para leer o seu blog que é moi interesante. Virei máis veces.

Un saúdo.

Manuela Viola disse...

Pois é... não é fácil viver. Gosto muito da foto.

Um Momento disse...

Quanta arte na arte de ver as coisas dessa forma:)))

Deixo um beijo agradecido por tão belas palavras a mim dirigidas

Grata

Noite serena desejo
(*)

Ana Ramon disse...

Não comentei o post do prior e da filharada à qual deu vida por não saber por onde lhe pegar. Escolhi antes este que se refere à dificuldade que temos para sermos simplesmente naturais. Ao estado a que chegámos!
Faço votos para que estejas a sair dos diversos exílios onde te fechaste. Temos que dar oportunidades à vida!
E desculpa a ausência mas andei afastada da blogosfera. Por vezes também preciso de me exilar :)))
Um beijinho grande

Vieira Calado disse...

Montaigne, no seu melhor, acompanhado por uma imagem que só alguns, vêem nela, uma extrema beleza.