quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Diversos entre diversos ou a música do silêncio?


A tranquilidade e o sossego, meus inseparáveis companheiros, ajudam-me a estabelecer monólogos de alma.
O que sucede então é muitas coisas ao mesmo tempo. Impõe-se um silêncio.
O ar frio da manhã, o azul do céu, matizes ocres da vegetação…infinidades de sugestões cromáticas…
…essa luz, esse raios brancos que observam… imagens também feitas de linhas que obedecem à luz e a ritmos.

Recolho o olhar.
Sejamos exactos.
Onde é que o espírito é mais puro? No principio.

É a questão do tempo. As coisas vão mudando

Vindo de um fundo quase indistinto, a silhueta do olhar de uma pastora de negro vestida. No mirar melancólico, vi no instante, um povo feito de pedra com coração.


Ps. Cansado da cidade, do ritmo da “vida social” definido pelo “tempo de trabalho”, domingo resolvi fazer “gazeta” aos trabalhos académicos e aceitar um convite para um passeio micológico – um merecido descanso em “cenário natural”.
“Recolha” de cogumelos? A escassez de pluviosidade também aqui fez das suas...!

5 comentários:

CMondim disse...

o silêncio é d'ouro meu caro ;)

Gi disse...

Li-te e li-me. Curiosa esta identificação de sentires ... é agradável ver escrito pela mão de outrém aquilo que pensamos. Que sentimos.

Um beijinho

Um Momento disse...

:)))
Como são bons esses momentos de "recolha" meu amigo...
E o silêncio ás vezes é tão bem vindo... se é...
Gostei imenso de te ler...transmitiste-me calmaria
Grata
Beijo sereno
(*)

De Amor e de Terra disse...

...e no silêncio das coisas, os pensares e sentires da alma em ausências de bulício...

Saudades!

Maria Mamede

Alexandra disse...

O merecido descanso "do guerreiro"!

Sempre, palavras sentidas!!!!

Bjs