terça-feira, 24 de abril de 2007

Não há mal que sempre dure, nem bem que nunca acabe...


Simplesmente porque acho que penso demais, invariavelmente, aproxima-
-se aquele ponto em que se tem de decidir se o sonho que tínhamos é ainda o sonho que temos.


Em todas as acções humanas, primeiro aparece o impetuoso e o impreciso,
depois vêm o calmo e o exacto.

Winckelmann

Sem comentários: