terça-feira, 13 de fevereiro de 2007

Do ser e do dizer

… A solidão é uma coisa insuportável.
… Posso-me encontrar entre milhares de pessoas e mesmo assim sempre só. As pessoas falam mas eu continuo sempre em busca de algo que me é desconhecido…
… Sei onde estou. Sei como cheguei até aqui. Para onde irei a seguir?

O desconhecido é desconhecido.

É um disparate!

A revolta é uma obrigação permanente do homem sensível.
Albert Camus

1 comentário:

ivone disse...

não resisti a deixar-lhe o cântigo negro de josé régio:

"Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!"